Mudamos de endereço! Conheça o novo Blog do Muki

Olá pessoal!

O Blog Leilões Mukirana.com mudou e agora é o Blog do Muki.
Vocês poderão continuar acompanhando tudo sobre o Mukirana.com nesse endereço: http://www.mukirana.com/blog

Abraços
Equipe Mukirana.com

Anúncios

Estabelecendo limites nos leilões

Antes de começar a dar lances num determinado produto, procure ver o real valor deste produto. Nos sites de leilões normalmente existem os campos de “Valores de mercado”. Procure comparar este valor com outros sites de comércio eletrônico. Faça uma busca no site de comparação Buscapé, por exemplo. Feito isso, e determinado o valor real do produto no mercado, estabeleça seu limite de gasto no leilão. De nada adianta vc arrematar um produto e depois ver que somando a quantidade de lances dados + o valor final do produto + frete, o valor seja igual ou superior ao valor de mercado. Sim, não pense que você pagou somente R$0,55 ou R$1,12 por um determinado produto, pois na verdade você gastou também os lances que comprou para arrematar esse produto.


Por Exemplo:
Imagine que um pen-drive de 4GB custe no mercado R$59,90 e no site de leilões o mesmo é declarado com “valor de mercado” igual a R$ 69,90. Não considere o valor do site de leilão e sim o valor real de mercado de R$59,90. Vc entra na disputa por esse produto e começa a dar os lances e na empolgação de vencer o leilão começa a dar um lance atrás de outro. Se você der mais de 50 lances, esse produto já não irá mais valer a pena, pois somando o valor dos lances gastos + o valor final do produto + frete, pode acabar saindo mais caro do que se vc comprasse por fora.
Portanto galera, sempre estabeleça um limite de, digamos, no máximo 30% do valor real do produto. Se o produto custa R$100,00, e cada lance custar em torno de R$1,00, procure limitar seus lances em no máximo 30. Isto é só um exemplo, vc deve determinar um valor que ache ideal.

Outra dica é CONTROLE-SE! Sei que a adrenalina sobe, a empolgação aumenta, mas TENTE SE CONTROLAR, ou o barato vai sair CARO!

Fonte: Vigilante dos leilões